Cresce o mercado de segurança eletrônica

Cresce o mercado de segurança eletrônica

Cresce o mercado de segurança eletrônica

O mercado de segurança eletrônica no Brasil vem crescendo a galope. Segundo pesquisa divulgada pela Security Industry Association (SIA), a expectativa é que haja um aquecimento de ordem superior a 20% em 2017. Diante dessa previsão, é importante estudar duas questões bastante específicas antes de contratar um prestador de serviço nesta área.

O primeiro item é a experiência. Ao contratar uma empresa de segurança eletrônica, é fundamental observar há quanto tempo ela está no mercado e qual a sua reputação. De acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese), existem cerca de 22 mil empresas registradas no país. Ainda assim, o setor sofre com a grande informalidade. Nesse sentido, uma empresa com passado íntegro faz toda a diferença para seu bem-estar e tranquilidade.

O segundo ponto fundamental é a certificação. Isso vale tanto para a empresa em si quanto para os produtos que ela emprega em seus sistemas e soluções de segurança. Bons serviços dependem de tecnologias adequadas e empresas devidamente qualificadas. Assim sendo, o consumidor deve se assegurar de que o projeto de segurança eletrônica a ser implantado tenha por base a instalação de equipamentos certificados, com qualidade testada e aprovada. Produtos e serviços “baratos” podem reduzir o custo final do projeto, mas aumentam suas vulnerabilidades. É essencial apurar também se a empresa contratada possui a devida estrutura para avaliar riscos, além de consultores capacitados para indicar os melhores equipamentos para cada situação e ambiente. Além disso, produtos de baixa qualidade podem confundir o consumidor, que acaba comprando mal. Por isso, é extremamente importante buscar empresas que só trabalhem com produtos homologados, com garantia de qualidade, e que estejam registradas nos órgãos fiscalizadores – como o CREA e a SSP.